Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Erro de Pensamento

27
Dez17

Passagem de Ano e Fruta Ressequida

Gosto que a passagem de ano seja próxima do Natal, assim há uma boa desculpa para nos desgraçarmos a vários níveis de forma mais intensa, porque «No dia 1 é que volto à linha». Isto é apenas um sinónimo de ser uma besta a comer e beber durante mais tempo sem peso na consciência, coisa que aprovo.

 

Portanto ainda na ressaca do Natal é importante começar logo a planear a passagem de ano. Eu ainda sinto os 24 doces diferentes que comi a passarem-me no sangue, sinto que ainda não estou com capacidade para começar a pensar em mais jantares e festas. Mas tem de ser, ainda mais este ano em que tenho um papel activo na organização do jantar da passagem de ano. A minha capacidade no planeamento de coisas deixa bastante a desejar, ainda mais quando são coisas que realmente importam. Se alguma vez tivesse de organizar um jantar aposto que acabaria por me esquecer de arranjar noiva.

 

Eu não entendo é as tradições de passagem de ano, em especial a das passas. Desconfio até, que o conceito de celebrar o ano novo, e quiçá o próprio calendário romano, foram criados por a industria que produz passas. Passamos 364 dias do ano sem comer passas, mas depois começam as badaladas e pumba é enfardar passas como se disso dependesse a nossa vida. Ia chamar à passa um fruto, mas para ser correcto, é um fruto velho. Enrugado, rijo, e em geral não é algo que as pessoas queiram comer.

 

 O mais impressionante disto é como conseguiram convencer meio mundo que comer aquilo numa dança sincronizada com as badaladas vai resultar em desejos mágicos, e logo doze. Tanto desejo para quê? Eu acho que já um desejo por ano é demasiado. Há muita gente a pedir doze desejos todos os anos e a paz mundial ou não é prioritária para os portugueses, ou poderá ser sinal que é só parvo andarem a encher-se de passas para depois ficar tudo na mesma.

 

Como já há desemprego suficiente e não quero mais indústrias moribundas comam lá as passas.

 

Quando estiverem a fazer a tradição de pedir desejos a passas lembrem-se é que uma semana antes estavam a rir-se das crianças que ainda acreditam no Pai Natal.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D